Ser mais tolerante à dor, ou não, é um fator que pode ser decisivo no esporte e nos exercícios físicos, principalmente quando são práticas de alto rendimento.

Já foi comprovado cientificamente que o exercício físico aumenta a tolerância à dor e seu limiar, ou seja, o mínimo de estímulo necessário para o individuo senti-la, e isso acontece devido à da endorfina – substância que possui efeito analgésico, trazendo uma sensação prazerosa.

Outro fator que explica a maior ou menor sensibilidade à dor é o psicológico. Existem dados que mostram que atletas de esportes considerados “mais violentos”, que possuem mais contato e mais risco de contusão, se queixam menos e também se recuperam com mais facilidade.

Isso ocorre porque são ativados processos químicos adaptativos de proteção no corpo.  Exemplo, em momentos de estresse, o corpo produz grandes quantidades de adrenalina e noradrenalina, substâncias que controlam a pressão arterial e do metabolismo, e que conferem ao corpo maior tolerância à dor.

Mas o contrário também pode ocorrer. Estudos mostram que alguns indivíduos não respondem aos estímulos nocivos da mesma maneira. Quando se aumenta o corpo à exposição à dor prolongada, aumenta-se ainda mais a sensação da dor em longo prazo. Isso pode deixar o corpo mais sensível, principalmente numa fase mais tardia da vida.

Muito comum em ex-atletas que tiveram articulações e estruturas mais acometidas por problemas de desgaste como joelho e coluna. Já foi comprovado que atletas de alto nível são mais susceptíveis a desenvolverem doenças artríticas antes mesmo de entrarem na fase idosa.

You might also like

Atividades aquáticas na terceira idade
Read more
Uso de suplementos de colágeno para praticantes de esportes
Read more
Mitos e verdades sobre a dor
Read more
Treinos exagerados e os riscos para as articulações
Read more
Sente dor pélvica enquanto corre?
Read more

0 comentários

Responder